Navigation

Fundação Dr João Romeiro, criada em 5 de maio de 1980

A Tribuna do Norte foi de grande importância para a libertação dos escravos em Pindamonhangaba. Fundado pelo abolicionista João Romeiro, o jornal fez com que os senhores de escravo se antecipassem à Lei Áurea em 78 dias, libertando espontaneamente seus escravos no dia 25 de fevereiro de 1888.

A Tribuna do Norte completa este ano (2005) 123 anos de circulação ininterrupta. Fundado em 11 de junho de 1882, o centenário jornal detém alguns recordes: é o segundo jornal mais antigo de São Paulo e o sétimo mais antigo do Brasil, entre os jornais ainda em circulação.

Coube ao jornalista, advogado, político e poeta João Marcondes de Moura Romeiro a criação da Tribuna do Norte, inicialmente um veículo de comunicação destinado a defender as idéias do Partido Liberal, tendo se transformado mais tarde em órgão do Partido Republicano.

Passaram pelas páginas da Tribuna do Norte nomes de expressão no meio literário brasileiro como Olavo Bilac, Lúcio de Mendonça, Basílio de Magalhães e Monteiro Lobato.

A Tribuna do Norte desempenhou importante papel como jornal defensor da causa abolicionista. João Romeiro, seu fundador, mesmo sendo fazendeiro era abolicionista convicto e fundou o jornal com o objetivo de propagar essa convicção e arregimentar mais fazendeiros para sua causa. Romeiro conseguiu ver seu sonho realizado em 25 de fevereiro de 1888.

Nesta data, Pindamonhangaba tornou-se exemplo para todo o país ao declarar seus escravos homens livres e contratá-los como trabalhadores remunerados. Passados 78 dias, no dia 13 de maio do mesmo ano, a princesa Isabel assinou a Lei Áurea, decretando extinta a escravidão no Brasil.

Não só abolicionista, como também um homem de ideais republicanos, João Romeiro utilizou as páginas da Tribuna do Norte como fórum de combate ao Império. Após sete anos e meio de luta em defesa do movimento liderado pelo Marechal Deodoro da Fonseca, o jornal pôde colocar em suas manchetes a queda do Império e a vitória da República.

A primeira impressora adquirida pelo jornal, uma Alauzet importada da França em 1881, foi totalmente restaurada e hoje se encontra no Museu Histórico e Pedagógico D. Pedro I e D. Leopoldina, em Pindamonhangaba. A primeira edição do jornal A Província de São Paulo, que mais tarde teve o nome mudado para O Estado de São Paulo, foi reproduzida em 1986 por esta impressora, no projeto Impressões do Brasil. A impressora Frankental (última a ser utilizada no sistema de impressão a quente) e as linotipos (todas em bom estado e em funcionamento) também foram desativadas com a mudança da Tribuna do Norte para off-set.

A Tribuna do Norte é um patrimônio histórico de Pindamonhangaba e da imprensa do país. É importante ressaltar que outras entidades centenárias do município são testemunhas de nossa história, como a Santa Casa de Misericórdia (138 anos) e a Corporação Musical Euterpe (176 anos).